Só na Prime Video você assiste ao ‘Juglamento de Paris’; editor relata problemas com buscas no streaming

O pitaco de hoje é de Sandro Macedo, editor do Guia Folha e autor do blog Copo Cheio, sobre cervejas artesanais.

Sandro alerta que nem sempre é tão simples encontrar um filme ou uma série na busca dos serviços de streaming, já que eles têm problemas com versões traduzidas para a nossa língua –e até erros de digitação. Confira, abaixo, o texto.

*

E você, que filmes ou séries te inspiram nesse momento de pandemia? Escreva para pitacocultural@gmail.com e envie sua resenha. Não esqueça de mandar nome completo, profissão, idade e cidade.

*

Em tempos de salas de cinema fechadas, a oferta de serviços de streaming tem aumentado razoavelmente, com canais exibindo clássicos e novidades. São exemplos o Belas Artes à la Carte, o Cinema Virtual e o Em Casa com Sesc (este último, gratuito).

Cena do filme ‘O Julgamento de Paris’, de 2008 (Reprodução)

Outros canais já estabelecidos com pacotes mensais aumentaram o leque de opções, como Netflix e Prime Video. No entanto, às vezes é preciso paciência para encontrar o título desejado.

O Prime Video (streaming da Amazon), por exemplo, investiu em sucessos da Disney, como “Frozen 2”, a nova versão de “O Rei Leão” e “Dois Irmãos”, da Pixar –que estava em cartaz quando a pandemia chegou. Só faltou investir em um sistema de busca mais eficiente para os brasileiros.

É muito possível que um filme bom, que você queira ver, esteja lá, mas que você seja incapaz de encontrá-lo. Exemplo(s): se você quiser assistir a “Magia ao Luar”, não tente usar a palavra “magia” na busca. Mais fácil tentar “magic”, em inglês, ou o nome do diretor, Woody Allen.

Outro bom filme antigo no catálogo do Prime é “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain”. Para buscá-lo, nem pense em digitar “fabuloso” ou “destino”. O título original, em francês, então? Nada disso. Você deve digitar apenas “amélie”, título usado no mercado americano (sim, não faz sentido para um filme francês. Mas o canal é “made in USA”).

O melhor exemplo, no entanto, é “O Julgamento de Paris”, título simpático sobre o início do sucesso dos vinhos americanos no mundo, com Bill Pullman, Chris Pine e o finado e ótimo Alan Rickman.

Mas na Prime, duas decepções: primeiro, o longa só existe dublado, sem legendas. E a cereja do bolo: ele está no banco de dados com a grafia errada: “O Juglamento de Paris”. Esse, só o Weintraub.